PandiniGP

Automobilismo, motociclismo, música, política, cinema, história... Este é um espaço para compartilhar ideias, opiniões, imagens, sonhos e loucuras. Divirta-se!

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Jornalista nascido em Santos - safra 1968 - e radicado em São Paulo desde 1985. Twitter: @pandinigp. "A única diferença entre um louco e eu é que eu não sou louco." (Salvador Dalí)

quinta-feira, 5 de julho de 2007

ESPIONAGENS E SABOTAGENS

Shadow DN9: o original.


Arrows A1: a cópia.


Toca o telefone no meio da tarde. É Marcus Zamponi, um dos três jornalistas que eu queria ser quando tinha meus 15, 16 anos de idade. (Os outros eram Tarso de Castro e Otávio Ribeiro, o popular “Pena Branca”.) Está escrevendo sua coluna para a revista Racing e quer trocar uma idéia sobre o caso de espionagem no qual Nigel Stepney, da Ferrari, é acusado de passar informações confidenciais ao colega Mike Coughlan, da McLaren.

− Acho que foi apenas o primeiro que veio a público − comentei.

− É exatamente o que eu penso! − respondeu Zampa.

A conversa evolui e, com a memória começando a funcionar, lembrei que na verdade não foi o primeiro caso de espionagem ocorrido na F1. No final de 1977, funcionários da Shadow armaram uma tramóia para tomar a equipe de seu dono, Don Nichols. Foram descobertos antes da execução do plano e sumariamente demitidos. Os “golpistas” − Franco Ambrosio, Alan Rees, Jackie Oliver, Dave Wass e Tony Southgate − não perderam tempo: reuniram-se e criaram uma nova equipe, cujo nome foi criado a partir das iniciais de seus sobrenomes. Nasceu assim a Arrows. O segundo “R” foi incluído apenas para formar uma palavra com significado: “flecha”, em inglês.

(Muita gente sabe desta história, mas vale lembrar que, no final da década de 1960, a March foi batizada com este mesmo método: Max Mosley, Alan Rees, Graham Coaker e Robin Herd.)

Franco Ambrosio era um banqueiro italiano e patrocinou a Shadow em 1977. Nem chegou a pintar seu nome nos Arrows: antes mesmo do começo da temporada de 1978, foi preso por participação em negócios escusos diversos. Foi por isso que o Arrows A1 estreou no GP do Brasil, no Rio, todo pintado de branco e com um patrocínio de última hora da Varig, apenas para aquela corrida.

Sendo Southgate ex-projetista da Shadow e tendo a mesma função na Arrows, nada mais − digamos assim − natural que o Arrows A1 ser idêntico ao Shadow DN9. Ao notar a semelhança, Don Nichols não teve dúvidas: foi aos tribunais e acusou Southgate e a Arrows de roubo de projetos. A Shadow fez as primeiras corridas de 1978 com o DN8, de 1977, e o DN9 acabou estreando depois do Arrows A1. Mesmo assim, no segundo semestre a justiça inglesa deu ganho de causa à Shadow e obrigou a Arrows a modificar o A1, sob pena de impedir sua participação no restante do campeonato.

Há um caso, porém, a ser esclarecido. No final da década de 1980, surgiram suspeitas de que o Lotus 100T, usado na temporada de 1988, foi intencionalmente projetado para ser irremediavelmente ruim. Para isso, o projetista francês Gerard Ducarouge, considerado um dos gênios das pranchetas, teria recebido US$ 2 milhões − quantia módica para os padrões da F1 de hoje, mas que representava pouco menos de um terço do salário de Nelson Piquet, o piloto mais bem pago daquela temporada.

Piquet declarou na época ter detectado, ao primeiro olhar, seis erros de projeto no Lotus 100T. Especificações recomendadas pela Honda, fornecedora de motores, foram simplesmente desrespeitadas. Fato é que Ducarouge foi demitido no meio da temporada. Interessante é conhecer as versões sobre a fonte do dinheiro que supostamente teria sido pago a Ducarouge. Mas sobre isto eu só vou escrever no dia em que as provas documentais estiverem nas minhas mãos.

12 Comentários:

Blogger Alessandra Alves disse...

o cara se chamava southgate?!?! só podia dar em escândalo de espionagem, queriam o quê?

quinta-feira, 5 de julho de 2007 13:15:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Southgate,esse era o cara!
Sempre achei o Tony Southgate um projetista de grande personalidade em sua criações ,é só lembrarmos do A2 ,um carro-asa muito interessante esteticamente ,só que não funcionou, mas para mim a grande sacada dele foi na Osella ,mas isso é uma outra historia.
Neste caso da Arrows os donos da nova equipe bem que poderiam ter mudado qualquer coisa na carenagem ,de qualquer forma o projetista não copiou ninguém né,era dele mesmo os projetos.
Cópia escandalosa foi o da Tyrrell em 1979 identico ao Lotus 78.
Agora ,este caso da Lotus 100T,é jogo sujo ,hein!!?

Jonny'O

quinta-feira, 5 de julho de 2007 13:31:00 BRT  
Blogger Marcog "unoturbo" Oliveira disse...

Saco, agora fiquei curioso pra saber quem "melou" o Lotus de 88.

Foi um brasileiro ? :)

quinta-feira, 5 de julho de 2007 17:19:00 BRT  
Anonymous Kleber disse...

Se foi um brasileiro ou não, o fato é que a Honda foi "conivente" com o caso. Ela deveria ter metido o dedo no projeto e dizer que pelo menos nas suas especificações o carro deveria estar. E esse brasileiro tem (tinha) influência na Honda? Obrigado Pandini pela história da Arrows e da Shadow.

quinta-feira, 5 de julho de 2007 20:20:00 BRT  
Anonymous André Arrais disse...

Caro Pandini,

Até hoje, quase 20 anos depois, nunca entendi o fracasso do Lotus 100T. Como podia um carro, que era extremamente competitivo em 1987 nas mãos de Senna, ser tão decadente na temporada seguinte, ainda mais contando com a experiência de Piquet no acerto? Um dia a verdade aparece. Pena que só 20 anos depois.

quinta-feira, 5 de julho de 2007 20:33:00 BRT  
Anonymous walter disse...

Pois é: tem mais escândalos na F1 doque suporia nossa filosofia...
Esse caso da Arrows é uma grande vergonha e, lamentavelmente, a Shadows levou a pior.
Não lembrava da Lotus fracassada: manda mais informações, Pandini, please.

sexta-feira, 6 de julho de 2007 07:47:00 BRT  
Anonymous Herik disse...

Pelos personagens que suponho estarem envolvidos na história da Lotus 100T acredito que nunca aparecerão documentos ou qualquer prova sobre o fato. Seria um escândalo gigantesco.
Quanto aos dois envolvidos no embrólio deste ano, creio que eles estavam na Lotus em 88. Portanto, na equipe de Decarrouge. Estariam eles envolvidos até naquele pepino? Mais um caso de que "o teu passado te condena" ou "diga-me com quem tu andas que direi quem tu és."

sexta-feira, 6 de julho de 2007 10:16:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Você não quis dizer aqui no blog o que ocorreu no caso Lotus 100T, mas eu sei do que você está falando pois o Rodrigo Mattar já comentou a algum tempo atrás. É como você falou, sem provas é melhor deixar o assunto morto, como está o principal possivel envolvido na história.

Wallace Michel

sexta-feira, 6 de julho de 2007 11:49:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Bom, para saber quem seriam os interessados em sabotar a Lotus, basta ir por eliminação...

sexta-feira, 6 de julho de 2007 17:06:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Aquela barca começa a ficar muito carregada mesmo...

Se adicionarmos a esta história, o episódio da McLaren, em que a Honda mandava os motores para Woking em duas configurações : caixas "normais" de um lado e caixas XPTO do outro, com stickers a dizer "Only for Senna" - sem mais explicação.

Diferença? -2s em qualificações no Mónaco e o resto da temporada a condizer (assim como umas tantas avárias mecânicas)...

sábado, 7 de julho de 2007 07:20:00 BRT  
Anonymous nistelrooy disse...

mas vc nao precisa colocar o doce na boca da criança e depois tirar ne? agora conta pelo menos a suspeita q vc tem...

segunda-feira, 9 de julho de 2007 17:39:00 BRT  
Blogger eman@italy disse...

olà, desculpe o meu brazileiro que està muito mal.
Eu sou encontrai este blog a causa de uma pequisa no net, eu ia a procura de algumas coisas do meu irmao.
Mas agora descubri que em brazil esta um outro marco zamponi que è giornalista de carro.
Bem, è bue de esquisito!

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 20:24:00 BRST  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Início

free counters