PandiniGP

Automobilismo, motociclismo, música, política, cinema, história... Este é um espaço para compartilhar ideias, opiniões, imagens, sonhos e loucuras. Divirta-se!

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Jornalista nascido em Santos - safra 1968 - e radicado em São Paulo desde 1985. Twitter: @pandinigp. "A única diferença entre um louco e eu é que eu não sou louco." (Salvador Dalí)

segunda-feira, 17 de abril de 2006


PIQUET E SENNA, FASE 2

Nelsinho Piquet, filho do tricampeão, conseguiu uma vitória e um quarto lugar nas corridas de abertura do campeonato GP2 Series, em Valencia (Espanha). Lidera o campeonato. Bruno Senna, sobrinho de Ayrton, venceu em Oulton Park (Inglaterra) as duas primeiras provas Campeonato Inglês de Fórmula 3. Também é líder.

Antes que comecem as brigas e ressentimentos que marcaram a relação entre os dois tricampeões (e que alguns fãs fazem questão de perpetuar), convém informar: ao que consta, Nelsinho e Bruno se dão bem, conversam numa boa e até torcem um pelo outro (eles nunca competiram na mesma categoria). Tomara que continuem assim.

Vi os dois dando algumas de suas primeiras aceleradas no kart – Bruno, em 1991, no kartódromo da fazenda do tio Ayrton, em Tatuí; Nelsinho, em 1994, no kartódromo de Itu, no mesmo dia em que seu pai venceu uma corrida de kart na categoria Senior. Por coincidência, os dois garotos tinham oito anos de idade quando acompanhei cada evento.

O histórico de Nelsinho aponta que, a cada mudança de categoria, fez uma primeira temporada com uma ou outra vitória, para na segunda conquistar o título. Foi assim na F 3 Sul-Americana (2001 e 2002) e na F 3 inglesa (2003 e 2004). Pode ser que isso se repita na GP2. Em 2005, ganhou apenas uma corrida. Para este ano, sua equipe foi totalmente reformulada, a fim de evitar as falhas de preparação que custaram alguns bons resultados. Nelsinho já fez testes na F-1 (na Williams e na BAR, atual Honda). Recebeu alguns elogios, mas não empolgou a ponto de receber propostas. Continua na luta por um lugar na categoria.

Bruno Senna teve uma trajetória completamente diferente. No final de 1991, seu tio organizou um megaevento no kartódromo de sua fazenda em Tatuí para comemorar o tricampeonato. A programação incluía duas corridas de kart, uma para garotos de até 10 ou 12 anos e outra para os pilotos mais velhos. Bruno venceu a “sua” corrida; Ayrton participou da outra e ficou em terceiro lugar (o vencedor foi Tony Kanaan).

Imaginei que Bruno passaria a disputar os campeonatos profissionais de kart, como o Paulista e o Brasileiro. Isso nunca aconteceu. Com a morte do tio, ficou quase dez anos afastado do cockpit até retomar a carreira no final de 2004, quando fez cinco ou seis corridas na Fórmula BMW inglesa. Em 2005, passou para a F 3 inglesa. Não venceu corridas mas conseguiu bons resultados e foi elogiado.

Ainda é muito cedo para apostar que Piquetzinho e/ou Senninha repetirão os feitos dos tricampeões. Mas vale a pena ficar de olho neles – nem que seja para relembrar dos tempos em que Nelson Piquet e Ayrton Senna estavam entre os melhores pilotos do mundo.

9 Comentários:

Blogger Marcelo Arruda disse...

devo admitir que é tentador para alguém que começou a cgostar de automobilismo da decada de 80 ter uma possivel F1 com sobrenomes como Piquet, Senna (sem falar do Rosberg)
Se eles sobreviverem ao Sobrenome e a tudo que vem em conseqüência...

segunda-feira, 17 de abril de 2006 19:45:00 BRT  
Anonymous Rafael Rangel disse...

Panda, não vou resistir em fazer a piadinha: agora sim, temos um piloto que indiscutivelmente pode ser o "próximo Senna a entrar na F1"! :)
Falando sério, tomara que os dois realmente se dêem bem (não é difícil) e que os tordedores não se engalfinhem na defesa da preferência por um ou por outro (não tenho muitas esperanças), pois um dos temas mais chatos de todos os fóruns de automobilismo é a briga Senna vs. Piquet. Que ela não se perpetue através dos descendentes...

terça-feira, 18 de abril de 2006 09:09:00 BRT  
Anonymous Ângelo disse...

Eu sou fã do Piquet pai e não gostava nem um pouco do Senna tio, mas torço para que os dois tenham sucesso e cheguem a F1. O Nelsinho é bom de braço, muito melhor que Scott Speed, por exemplo, mas acho que ainda precisa amadurecer um pouco pra chegar à F-1. Ano passado, depois de acumular tantas frustações na GP2 e A1 GP, acabou sendo proveitoso nesse quesito. Vale lembrar que ele nunca tinha corrido em Valência, onde começou a temporada da GP2 esse ano, e provavelmente só não ganhou a segunda corrida por causa da regra do Grid Invertido que o obrigou a largar em 8º.
O Senna eu nunca vi correr, mas ele não teve uma primeira temporada assim tão boa. O Nelsinho, por exemplo ganhou corridas e chegou a postular o título, mas o Senna tem muito menos experiência que o Piquet e isso pesou com certeza. Esse ano começou muito bem e espero que seja mais um Brasileiro a vencer na F-Inglesa para depois migrar para GP2 e F1 na seqüência.

terça-feira, 18 de abril de 2006 11:35:00 BRT  
Anonymous Luciano Balarotti disse...

o negócio é deixar os dois correrem com prazer e tranqüilidade, sem atribuir a eles o peso que os sobrenomes famosos pelas brilhantes carreiras do pai e do tio podem trazer.

quem sabe assim eles quebram a barreira da vitória.

terça-feira, 18 de abril de 2006 17:02:00 BRT  
Anonymous Rodrigo Borges disse...

Nada como ler uma análise imparcial e bem feita, de quem entende do assunto. Legal, Pandini!

terça-feira, 18 de abril de 2006 17:58:00 BRT  
Anonymous Alexandre Carvalho disse...

De onde a Varig tira dinheiro para patrocinar o carro do Senna?

quarta-feira, 19 de abril de 2006 14:45:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Sinceramente já to cheio dessas comparações melancólicas! A geração Senna, Piquet e companhia já passou e naum volta mais. Achar que seus filhos ou sobrinhos poderão fazer algo parecido é a mesma coisa que achar que os filhos de Pelé, Zico, Maradona entre outros, serão grandes craques.......isso é uma tremenda babaquice.
Quando esse tipo de coisa acontece acaba prejudicando outros pilotos com potencial mas sem sobrenomes.
A Globo vive procurando um herói, para ganhar mais audiência.
Deve ser por isso que o Brasil naum teve mais nenhum piloto de expressão da F1 desde 94.......já em outras categorias, onde naum se espera muito, tivemos vários campeões.

segunda-feira, 24 de abril de 2006 09:52:00 BRT  
Blogger Thomperson disse...

Eles não devem ser comparados.

Nem entre si, e nem com seus ancestrais.

Tanto Nelson Ângelo Piquet como Bruno Senna tem o direito de seguirem suas carreiras, seus aprendizados, sem a encheção de saco da mídia e do público. Eles ainda tem o que evoluir como pilotos, e devem conseguir isso.

quinta-feira, 27 de abril de 2006 14:40:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Será que Senna não teve algum filho ?

segunda-feira, 8 de maio de 2006 22:27:00 BRT  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Início

free counters